A Crise da Responsabilidade Acadêmica e a Crise do produtivismo

A Crise da Responsabilidade Acadêmica e a Crise do produtivismo

Do ponto de vista da sociologia, uma outra voz que se soma à percepção de uma crise generalizada na produção científica é a de Lindsay Waters, editor de humanidades da Harvard University Press, uma dais mais importantes editoras acadêmicas dos Estados Unidos.

Em seu provocativo ensaio Inimigos da Esperança Publicar, Perecer e o Eclipse da Erudição, ele traça um complexo cenário de deterioração da produção do saber, referindo-se à “crise da responsabilidade (accountability) acadêmica1”, “eclipse do valor”, “crise das monografias”, crise de “superprodução”, “crise generalizada da avaliação” (judgment) (WATERS, 2004, passim, tradução nossa). Para ele, a erosão do sistema de publicações com o boom de produção, caracterizado por um forte crescimento no número de artigos publicados a partir dos anos 1960, resulta de uma cultura de hiperinflação (WATERS, 2004, p. 22, tradução nossa).

O “problema é basear o mandato na quantidade de publicações, publicações que poucos leem” (WATERS, 2004, p. 7, tradução nossa). “Nos últimos 30 anos, passamos de vender um mínimo de 1.250 livros de cada título de humanidades para 275 livros” (WATERS, 2004, p. 16, tradução nossa).

Em sua ácida crítica ao modelo vigente, Waters alerta para o momento em “que o mercado se torne nossa prisão e que o valor do livro seja minado” (WATERS, 2004, p. 4, tradução nossa). Também chama atenção para o fato de que este problema não se restringe apenas à área das humanidades (WATERS, 2004, p. 18, tradução nossa) e diagnostica:

Adentramos a Zona Cinzenta (Twilight Zone) da pesquisa acadêmica, e agora a demanda por produtividade está levando à produção de muito mais nonsense. Em tempos como estes, pesquisadores inescrupulosos e confusos realizam falsas assertivas que guardam aparência de interessantíssimas, mas também inverificáveis assertivas. Podemos ver em toda parte ao redor de nós o eclipse do valor em uma cultura de hiperinflação. Editores de periódicos, especialmente, estão percebendo que eles não têm o tempo necessário para avaliar porque eles precisam manter a linha de montagem em movimento. (WATERS, 2004, p. 22, tradução nossa)

É neste contexto que o paradigma de publicar ou perecer leva ao que é chamado de ciência salame, quando se busca fatiar os resultados de uma pesquisa na menor unidade publicável, o menor quantum possível de conhecimento em uma publicação, de forma a inflar o número de publicações, maximizando o ranking do pesquisador de acordo com as métricas quantitativas. As publicações circulam em um ritmo cada vez maior, contudo carregando em si cada vez menos resultados inovadores cientificamente relevantes.

Fica evidente que esta velocidade de circulação das publicações não corresponde aos interesses do acúmulo de conhecimento e sim à própria velocidade de rotação do capital, que precisa ser ainda mais acelerada quando a crise se manifesta. Até neste aspecto, de uma crise na qual o sistema tem que girar a uma velocidade cada vez maior, pois a cada ciclo o valor incorporado é menor, a ciência da ciência se assemelha à do capital em geral.

Esse descompasso levou em 2011 um grupo de pesquisadores alemães, entre eles o neurocientista Jonas Obleser, da Sociedade Max Planck, a publicar o Manifesto Ciência Lenta, no qual relembram que:

A ciência precisa de tempo para pensar. A ciência precisa de tempo para ler e tempo para falhar. A ciência nem sempre sabe sobre o que pode estar neste momento. A ciência se desenvolve de forma instável, com movimentos bruscos e saltos imprevisíveis para a frente – ao mesmo tempo, no entanto, arrasta-se em uma escala de tempo muito lenta (SLOW SCIENCE MANIFESTO, 2010, tradução nossa).

1 O termo em inglês accountability pode ser apenas parcialmente traduzido para responsabilidade, pois o conceito traz outras cargas semânticas como prestação de contas, ação ética, transparência e credibilidade.